Por Esmael Morais

Antipetista Reinaldo Azevedo quer uma Justiça sem Partido

Publicado em 02/11/2018

O jornalista Reinaldo Azevedo, antipetista ferrenho, em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo nesta sexta-feira (02) afirma que a participação de Sergio Moro no futuro governo de Bolsonaro (PSL) escancara o fato de que o “Partido da Justiça” sempre teve projeto político.

Azevedo afirma que Sergio Moro e os outros responsáveis pela Lava Jato sempre tiveram “um projeto político”.

“O que sempre me pareceu claro, embora fosse constatação quase solitária, revela-se agora de maneira escancarada: protagonistas da Lava Jato estavam e estão empenhados também em um projeto político”, diz o jornalista.

Para o jornalista, em nome do combate a corrupção o “Partido da Justiça” “degenerou os fundamentos do estado de direito”, tudo isso “sob a vigilância rebaixada da imprensa”.

“Passou a vigorar um certo “Padrão Witzel” de combate a criminosos do colarinho branco, reais ou supostos. Se é para pegar bandidos, procuradores e juízes podem atuar como “snipers”, afirma o jornalista.

Segundo Azevedo, os que apontavam os erros e excessos da Justiça eram tratados como tolerantes com a corrupção.

Azevedo também enxergou que o juiz da Lava Jato agiu como cabo eleitoral ao divulgar trechos de delação sem valor durante a campanha eleitoral para prejudicar adversários de Bolsonaro.

“O “Moro político”, que falou com Guedes antes da eleição sobre a possibilidade de integrar o governo, também é o “Moro juiz”, que resolveu liberar trechos da delação de Antonio Palocci. E o fez uma semana antes do primeiro turno” afirma Azevedo.

Azevedo aponta ainda o “superministro” Sergio Moro como candidato à sucessão de Bolsonaro na presidente da República.