A pedido de Bolsonaro, Temer corta R$ 77,8 milhões de programas de saúde mental

Publicado em 17 novembro, 2018

O Diário Oficial da União desta sexta (16) trouxe a publicação da Portaria Nº 3.659 suspendendo o repasse de R$ 77,8 milhões, pelo Ministério da Saúde, para os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial).

LEIA TAMBÉM
Prefeitos estão irados com Bolsonaro pela mancada do “menos médicos”

A faca atingiu pacientes da saúde mental, quais sejam, dependentes de álcool e outras drogas, depressão e ansiedade.

O corte atingiu 324 convênios em diversas localidades brasileiras, dentre as quais Sorocaba (SP), que perdeu R$ 1.009.608,00; Dom Pedrito (RS), R$ 339.660,00; Brasília (DF), R$ 2.772.520,92; Curitiba (PR), R$ 690.000,00.

A pedido de Jair ‘Coração de Pedra’ Bolsonaro (PSL), Michel Temer cortou os recursos para os CAPS, Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), Unidades de Acolhimento (UA) e de Leitos de Saúde Mental em Hospital Geral, integrantes da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

O Ministério da Saúde jura que a suspensão do repasses não tem nada a ver com a transição para o presidente eleito, se deu por incompetência dos gestores municipais de saúde (prefeitos) que teriam omitido registros de procedimentos nos sistemas de informação do SUS.

Os programas desumanamente atingidos são relacionados à saúde mental e dependência química, bem como iniciativas para prevenção do suicídio.

Leia a íntegra da Portaria do MS.