91% são contra aumento para ministros do STF, diz pesquisador de Bolsonaro

O diretor-presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, afirma que a maioria dos brasileiros é contrária ao aumento no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

LEIA TAMBÉM
Nas vésperas de soltar Lula, STF é alvo de sevícias de militares

Na semana passada, o Senado votou e aprovou — a toque de caixa — aumento de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil o teto salarial dos membros do STF.

De acordo com a Paraná Pesquisas, 91,1% dos entrevistados pelo instituto dizem que os senadores erraram o momento de conceder o aumento e que deveriam ter esperado que o novo presidente assumisse o cargo para votar o benefício à magistratura.

Para 89% dos pesquisados, o Brasil não tem condições de arcar com este aumento e que o “salarião” para os ministros é “injusto”.

Murilo Hidalgo tem municiado Jair Bolsonaro (PSL) com números sobre a rejeição dos brasileiros a privilégios para as castas judiciárias e militares. O instituto dele [Paraná Pesquisas] está sendo para o presidente eleito o que foi, no passado, o Ibope para o governo FHC.

A Paraná Pesquisas ouviu 2.008 brasileiros maiores de 16 anos, em 170 municípios de 26 estados e o Distrito Federal, entre os dias 9 e 11 de novembro. A margem de erro é de 2%.

Comentários encerrados.