Por Esmael Morais

Sistema S a serviço do fascismo

Publicado em 05/10/2018

Os patrões ‘voltaram atrás’ da coação feita a funcionários do Sistema S (Senai, Sesc, Sebrae, CNI, etc.) para que votassem em Jair Bolsonaro (PSL).

O patronato entrou no cio esta semana diante da possibilidade de Fernando Haddad virar em 1º lugar na eleição deste domingo (7). Vide os casos dos donos das lojas Havan e dos supermercados Condor.

Nesta sexta (5), depois de informado de que cometera crime eleitoral, o empresário Luiz Gastão Bittencourt, vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, distribuiu nova mensagem jurando que os trabalhadores podem votar “com a sua própria consciência”.

Ontem (4) a conversa de Bittencourt era outra. O vice-presidente da CNC divulgou comunicado na intranet da entidade sob o título “Vamos votar com o Brasil!” afirmando que “Voto como cidadão e indico a todos aqueles que acreditam no meu trabalho, nas minhas ações e na minha determinação de servir à sociedade, que votem em Jair Bolsonaro. Votem com o Brasil, com a família e com Deus acima de tudo.”

Em tempo: as entidades patronais do Sistema S operam com recursos públicos a título de contribuição sindical.