Reviravolta na eleição presidencial do Brasil, vê imprensa internacional

Os principais jornais do mundo — New York Times, The Guardian, Le Monde, etc. — veem reviravolta na disputa presidencial do Brasil após o “Bolsolão”, o uso de caixa 2 na campanha de Jair Bolsonaro (PSL) para espalhar notícias falsas pelo WhatsApp.

LEIA TAMBÉM
Artistas cobram atitudes de Rosa Weber sobre o caixa 2 e as ‘fake news’ de Bolsonaro

O escândalo denunciado por uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo foi amplamente reverberado pelo candidato do PT, Fernando Haddad, durante uma coletiva à imprensa internacional.

“As acusações seguem uma reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, dizendo que empresários ligados ao congressista Jair Bolsonaro financiaram a disseminação de notícias falsas no serviço de mensagens WhatsApp para beneficiar sua candidatura”, registrou o New York Times.

A fraude eleitoral cometida por Bolsonaro também foi destaque no britânico The Guardian, que estampou as relações polêmicas do ex-chefe de campanha de Donald Trump, Steve Bannon, com o atual marketing político do ex-militar. O jornal descreve Bannon como “o sabotador da democracia” que “assumiu um papel de protagonista na eleição presidencial, cada dia mais antagônica, do Brasil”.

Para o francês Le Monde, a reportagem da Folha intitulada “As empresas financiam o envio de mensagens anti-PT nas redes sociais” causou um alvoroço nas campanhas e pode marcar uma reviravolta na eleição do segundo turno.

Se a corrupção eleitoral de Bolsonaro chamou a atenção da imprensa mundial, que sente o cheiro de reviravolta no ar, a TV Globo não deu importância ao fato. O principal telejornal da emissora dos Marinha — o Jornal Nacional — citou a burocraticamente a ocorrência.

Comentários encerrados.