“Novidades” da política podem ter fraudado o resultado das eleições

Publicado em 21 outubro, 2018
Compartilhe agora!

Há cerca de dois anos, um ativista do PT de Curitiba foi abordado por um dos “generais” de Jair Bolsonaro (PSL) com o objetivo de participar de exército de ciberguerrilheiros na internet.

LEIA TAMBÉM
Campanha pró Bolsonaro furtou dados de usuários do Facebook, diz BBC News

A missão também era inusitada e naquela época quase impossível: elevar o “Mito” à condição de presidente da República e estimular às custas do ódio contra Lula, PT, gays, comunistas, sem terra, etc., nas redes sociais.

Feito este recorte, o “Partido Novo” de João Amoêdo também recorreu às fake news para se constituir. Com dinheiro na mão, sabe-se lá a origem, a agremiação contratou agências de publicidade em diversas praças do país com o fim de estruturar-se para as eleições deste ano. O desconhecido candidato à Presidência terminou o 1º turno à frente de nomes consagrados na política.

O empresário Romeu Zema (Novo), desconhecido dos eleitores, virou em primeiro lugar com 42,73% dos votos em Minas Gerais. Ele disputa o segundo turno com o senador Antonio Anastasia (PSDB).

A eleição do fundador do Grupo Positivo Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) para Senado, na cota de Bolsonaro, também chamou a atenção. Se o ex-militante comunista tivesse sido atropelado e morrido 4 semanas antes de eleito, muito provavelmente, seria enterrado como indigente. De desconhecido dos paranaenses ao Senado República em apenas 1 mês!

O que tiveram em comum todas as campanhas acima? A participação de agentes e agências de propaganda especializadas em espalhar fake news. Logo, por consequência, o resultado das eleições deste ano pode ter sido uma grande fraude.

Quanto ao ativista do PT, reportado no primeiro parágrafo desta matéria, ele não sucumbiu à proposta bolsonarista. Continua firme e forte na campanha de Fernando Haddad (PT).

Compartilhe agora!