Mapa da violência política registou 133 casos de agressões por apoiadores de Bolsonaro

A plataforma Violência Política no Brasil registrou somente em outubro 133 casos de agressões praticados por apoiadores do candidato de extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) por motivos políticos.

A ferramenta é uma iniciativa dos portais Opera Mundi, Outras Palavras e De olho nos ruralistas. O balanço foi divulgado na terça-feira (23), no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.

O levantamento iniciou uma semana antes do primeiro turno das eleições e o site segue registrando novos casos. Até o momento, foram oito mortes, 42 casos de lesão corporal, 21 envolvendo armas e 17 registros de pichações de símbolos nazistas. Desse total, seis foram contra transsexuais e nove dirigidos à jornalistas.

Alceu Castilho, editor do portal De olho nos ruralistas, afirma que o mapa é apenas uma amostra e há diversos casos não notificados. “Essa amostra é um alerta. Se tivermos um governo Bolsonaro, as minorias estarão entre as principais atingidas”, disse o jornalista.

Além da divulgação do balanço das agressões, o ato teve relatos de jornalistas sobre o momento político.

Juca Kfouri lembrou do período em que Audálio Dantas era presidente do sindicato da categoria e da denúncia do assassinato de Vladimir Herzog. “Daqui de dentro [do sindicato] nasceu um movimento que, junto com outras forças da sociedade, conseguiu mudar a história do Brasil”, disse.

Kfouri também ressaltou a importância destas eleições. “O segundo turno é mais do que uma luta entre direita e esquerda, é uma luta das forças democráticas contra a extrema direita, a direita fascista que é a favor da tortura”, afirmou.

A Plataforma pode ser acessada aqui. Tanto para ver os dados como para denunciar casos de violência. 

Com informações do Brasil de Fato.