Haddad vai desinfetar a cadeira de presidente da República

Jair Bolsonaro sentou na cadeira de presidente da República antes de ser eleito. Fernando Haddad promete desinfetá-la antes de ocupá-la, se vencer a eleição no dia 28.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro jura que irá a debates contra Haddad, depois de puxão de orelha de Gretchen

Na eleição de 1985, à Prefeitura de São Paulo, Fernando Henrique Cardoso considerava-se já eleito. FHC sentou-se na cadeira de prefeito antes de eleito. Seu adversário Jânio Quadros não titubeou e foi lá desinfetar o assento.

“Gostaria que os senhores testemunhassem que estou desinfetando esta poltrona porque nádegas indevidas a usaram”, explicou na época Jânio.

Bolsonaro simbolicamente se sentou na cadeira de presidente antes de o povo lhe dar o mandato. Ele não considera outro resultado senão a vitória. Suspeita [antecipadamente] do TSE e das urnas eletrônicas, em caso de derrota. Está obcecado pelo poder. A velha mídia golpista também o trata na condição de “presidente” da República.

Na verdade, Bolsonaro sentou na cadeira de presidente na madrugada de 7 de setembro — horas depois de levar uma facada em Juiz de Fora (MG). ‘Acabaram de eleger o presidente’, disse Flávio Bolsonaro, filho do presidenciável, em entrevista à imprensa.

A previsão de Flávio era de que a vitória do pai seria no 1º turno. Não deu. Foi a primeira decepção, pois ainda disputa o segundo turno com Haddad e o jogo só termina quando o juiz apita o final.

Segundo o Datafolha, faltam apenas 8 pontos para Haddad virar sobre Bolsonaro. O diretor do instituto, Mauro Paulino, afirma que ainda é possível uma virada na eleição.

Murilo Hidalgo, presidente da Paraná Pesquisas, igualmente concorda que é possível uma virada de Haddad desde que haja um grande fato na reta final da campanha.

Comentários encerrados.