Gleisi pede ao TSE urgência na investigação do caixa 2 de Bolsonaro


A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), pediu hoje (19 ) à presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, a adoção de medida urgentes contra as práticas ilegais e antidemocráticas utilizadas na campanha eleitoral pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL). Também participaram da audiência no TSE os dirigentes do PT, PSOL e PCdoB.

O PT quer que sejam investigadas com urgência denúncias contra a campanha do deputado Jair Bolsonaro (PSL) por abuso de poder econômico e uso indevido de meios de comunicação, caracterizados pelo uso de caixa dois para financiar a disseminação de mentiras na rede digital WhatsApp.

Conforme denuncia do jornal Folha de S. Paulo, empresas compraram pacotes para o disparo de milhões de mensagens mentirosas (fake news) no WhatsApp contra o PT e a campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República. A prática é ilegal porque empresas estão proibidas de doar para campanhas e os pagamentos não foram declarados, configurando assim crime de caixa 2.

Gleisi disse que a situação é alarmante e frisou que está “preocupada” com a demora do TSE para investigar essa denúncia, bem como outras já feitas pelo PT. “Saio muito preocupada com as condições do TSE de enfrentar essa nova situação pela qual está passando o processo eleitoral, ou seja, a fabricação de notícias falsas e a disseminação no submundo da internet”, disse Gleisi.

Ela lembrou que na quinta-feira (18) o PT ingressou com ação, inclusive com pedido de medidas cautelares para produção de provas, e até agora não obteve decisão do tribunal. “A petição se tornou pública, o que pode levar à destruição de provas. O tribunal vai tratar o processo legal como se numa normalidade estivéssemos, então, isso me preocupa muito”, afirmou a senadora.

*Com Agência PT de Notícias

Comentários encerrados.