Bolsonaro não pode tudo em nome de Deus

Publicado em 29 outubro, 2018
Compartilhe agora!

Os gestos, às vezes, são mais fortes que as palavras. Quanto são juntados em um mesmo tempo, espaço e contexto ganham concretude. É aí que mora o perigo e vem a pergunta: Bolsonaro pode tudo em nome de Deus?

LEIA TAMBÉM
Adeus, querida Globo

No primeiro pronunciado à Nação após a vitória, neste domingo à noite, o ex-militar que já foi garimpeiro chamou o ainda senador Magno Malta (PR-ES) para fazer uma oração. Deram as mãos e repetiram o slogan “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Malta, evangélico e homofóbico, por ironia da história, acabou sendo derrotado para o Senado, no estado do Espírito Santo, para seu concorrente que se apresentou como gay [Fabiano Contarato, da REDE].

Pois bem, voltemos ao governo Bolsonaro – segundo o evangelho.

A patética cena de ontem mostrou que o futuro ocupante do Palácio do Planalto poderá mandar às favas o conceito de Estado laico, sem religião oficial, cuja garantia está inscrita na Constituição Federal de 1988.

Não pode governante algum, em nome de Deus, armar o povo e possibilitar que os cidadãos se matem uns aos outros; também não pode, de jeito nenhum, disseminar ódio e preconceitos em nome Dele.

Deus não concedeu procuração para Bolsonaro falar no nome Dele.

Um divino cheque em branco é o que pretende Bolsonaro. Mas a sociedade brasileira não concorda com fundamentalismos político e religioso. Foi isto que disseram as urnas (Bolsonaro 55% x 45% Haddad).

Saravá!

Compartilhe agora!