Bolsonaro cometeu crime irreparável que compromete a lisura da eleição, diz colunista da Folha

O veterano jornalista Janio de Freitas, colunista da Folha, anota neste domingo (21) que Jair Bolsonaro (PSL) cometeu crime ‘irreparável’ e ‘inapagável’ que põe em xeque a lisura da eleição presidencial.

LEIA TAMBÉM
WhatsApp e fuga de debates derrubam Bolsonaro

De acordo com o articulista, o judiciário diante de um problema que põe à prova o discernimento, a coragem e a consciência de um bom número de magistrados. Não só do Tribunal Superior Eleitoral. “E ainda da Polícia Federal, que em eleições anteriores comprometeu-se em facciosismos.”

Janio recorda que a campanha do ex-militar cometeu vários crimes associados e simultâneos com o pagamento a empresas, com dinheiro sujo de caixa 2, ao menos R$ 12 milhões por pacotes de disparos em massa de mensagens, no WhatsApp, contra Fernando Haddad (PT).

“Já se sabe que uma das empresas de informática capazes desse serviço, por exemplo o Dot Group, pode lançar mensagens para 80 milhões de pessoas”, escreve.

Depois de frisar que a conduta dos empresários, que pagaram pelo impulsionamento de fake news, é crime eleitoral tipificado, Janio de Freitas afirma que “os saltos do percentual de apoio a Bolsonaro, depois de sua demorada lerdeza nas pesquisas, encontram no golpe dos empresários uma possibilidade de explicação mais convincente do que o tal ódio antipetista.”

“Esse velho sentimento não contou com fatos repentinos e repetidos que o levassem a espraiar-se nos saltos de tantos milhões de eleitores conquistados, em intervalos de 48 ou 72 horas”, afirma o colunista.

Janio fecha com chave de ouro ao lembrar que”Bolsonaro falou muito e à toa em fraude. Por algum motivo, fraude não lhe saía da cabeça.”

Comentários encerrados.