Apoiador de Bolsonaro, Ratinho Jr. quer extinguir a Secretaria de Cultura do Paraná

O Conselho Estadual de Cultura do Paraná (CONSEC) fez uma reunião extraordinária na semana passada em Guarapuava e tirou uma carta pública reivindicando a permanência da Secretaria no futuro governo de Ratinho Junior (PSD).

O medo dos artistas e agentes culturais é que o governador eleito Ratinho Júnior (PSD) cumpra sua promessa de campanha e extinga a Secretaria de Cultura do Estado.

Ratinho manifestou apoio ao candidato a presidente da extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL). Ele já afirmou que pretende pôr um fim ao Ministério da Cultura, da mesma forma que o ilegítimo Michel Temer (MDB) fez logo após ao golpe de 2016.

Um dos entusiastas da ideia é o vice eleito de Ratinho, Darci Piana, que comanda a Fecomércio.

A justificativa é sempre a da economia, corte de gastos, eficiência administrativa, etc. Mas o que está por trás dessa “aversão” ao espaço público da Cultura é política mesmo.

Preocupados com a proposta, os integrantes do Conselho redigiram a “Carta de Guarapuava”.

No documento, eles mostram que a Cultura não é gasto. Ao contrário, o setor gera emprego e renda:

“As políticas culturais visam não só a valorização das artes, expressões, manifestações tradicionais e populares, facilitando o acesso, permitindo condições e meios de produção, garantindo a participação e o diálogo com a sociedade civil, mas também estão diretamente ligadas à ampliação do desenvolvimento econômico, por meio da geração de empregos diretos e indiretos e da economia criativa que, segundo dados do BNDES, representa hoje 2,64% do PIB nacional, com perspectiva de crescimento de 4,6% até 2021, superando os 4,2% de expectativa de crescimento mundial.”

Só esse argumento já deveria valer para a manutenção e ampliação dos espaços oficiais de fomento ao setor. Mas há muito mais.

Leia a seguir a íntegra da Carta de Guarapuava:

Carta de Guarapuava oficial

Comentários encerrados.