Lava jato da Argentina pede prisão preventiva para Cristina Kirchner

Depois de ferrar com a democracia no Brasil, o modelo lava jato quer desgraçar ainda mais a Argentina. O juiz federal Claudio Bonadio, do país vizinho, pediu hoje (17) a prisão preventiva da ex-presidente da República e senadora Cristina Kirchner, de ex-integrantes do seu governo e de empresários suspeitos de pagar propina e por formação de quadrilha.

É praticamente o mesmo roteiro que o consórcio jurídico-midiático aplicou contra Lula e o tirou da disputa presidencial de outubro. Cristina é favorita na corrida pela Casa Rosada, após o desastre do governo Mauricio Macri.

As acusações envolvem o setor de construção civil e obras públicas realizadas nos mandatos de Cristina e do marido, já morto, Néstor Kirchner. O processo ganhou o apelido de “cadernos de corrupção”, porque as investigações identificaram várias anotações, cuidadosamente descritas.

Como Cristina Kirchner é parlamentar e dispõe de foro privilegiado, só poderá ser detida se dois terços dos senadores aprovarem a perda de imunidade. Não há data para essa votação ocorrer.

Desde que o escândalo de corrupção veio à tona, no começo de agosto, vários empresários e ex-funcionários do governo acusados fizeram acordos de delação premiada e reconheceram a existência das propinas e o envolvimento de Cristina e Néstor em esquemas escusos.

Com informações da Agência Brasil e demais agência latinas.

Comentários encerrados.