Cappelli: A semana decisiva

O jornalista Ricardo Cappelli prevê esta semana decisiva para a luta histórica no 2º turno entre a democracia e as sombras, isto é, Haddad e Bolsonaro.

A SEMANA DECISIVA

Ricardo Cappelli*

As manifestações lideradas pelas mulheres em todo Brasil foram extraordinárias. Multidões ocuparam as ruas num ensaio da frente antifascista que deve tomar o país no segundo turno.

É preciso ver se será capaz de causar alguma mudança eleitoral ainda no primeiro turno. Mobilizar a tropa na última semana foi muito importante.

A pesquisa CNT/MDA consolida o cenário. Haddad continua subindo. Chega a 25% acabando de desidratar Marina. Bolsonaro mantém seus 28%, apesar de Mourão e da pesada artilharia adversária.

Haddad e Bolsonaro somados têm 2/3 dos votos. O outro 1/3 está dividido entre Ciro, indecisos e Alckmin. Todos os demais estão com pontuação na margem de erro do zero. Viraram pó.

Importante acompanhar como se comportarão os eleitores de Ciro e Alckmin na reta final. Os ciristas anteciparão voto útil em Haddad? Vão resistir e marcar posição?

Os eleitores que restaram com Alckmin são democratas e votarão contra o fascismo? Ou será que a aversão ao PT é mais forte entre eles? Morrerão abraçados com o chuchu no primeiro turno?

Os indecisos serão distribuídos igualmente seguindo a tendência atual? Seguirão alguma onda?

Em 2014, segundo o Datafolha, 23% decidiram seu voto para presidente na última semana. Decisivos 15%, entre o sábado e o domingo. O mais provável continua sendo uma luta histórica no segundo turno entre a democracia e as sombras.

Tudo dependerá da resiliência dos eleitores de Alckmin e Ciro. Se não resistirem, pode pintar surpresa no próximo dia 7. Depois de tudo que aconteceu uma vitória no primeiro turno seria épica. Apertem os cintos. Emoção não vai faltar.

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília. Foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) na gestão 1997-1999.

Comentários encerrados.