Por Esmael Morais

Beto Richa não pode concorrer ao Senado pela coligação, afirma governadora do Paraná

Publicado em 17/09/2018

A governadora e candidata ao governo do Paraná, Cida Borghetti (PP), solicitou à coligação a retirada da candidatura de Beto Richa (PSDB) ao Senado.

Cida disputa a reeleição na coligação formada pelos partidos Progressista, PSDB, PTB, DEM, PSB, PROS, PMB, PMN e PTC.

“Estou solicitando aos partidos da coligação a retirada da indicação de Beto Richa ao Senado para que ele possa se dedicar a sua defesa”, disse durante coletiva em Toledo, nesta segunda-feira (17).

Segundo Cida, a operação do Gaeco batizada de Rádio Patrulha e a divulgação das gravações dos diálogos de Beto Richa tornaram a situação insustentável.

“Não aceito, não admito, não compactuo com nenhum ato de desvio de conduta. Quando assumi o Governo do Estado um dos meus primeiros atos foi a criação da Divisão de Combate à Corrupção”

Diversas lideranças do PSDB como o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Ademar Traiano, vice-presidente do PSDB, e o ex-chefe da Casa Civil, deputado federal Valdir Rossoni, e o ex-deputado federal e ex-Chefe da Casa Civil, Cesar Silvestre, estão apoiando abertamente o candidato Ratinho Jr (PSD).

E ainda que o próprio Beto Richa, já vinha realizando campanha solo sem assumir a candidatura de Cida ao Governo.

Não há portanto, razão para que a coligação continue a atender o PSDB, já que sua maioria não apoia Cida, a candidata da coligação.

Richa é investigado por fatos do primeiro mandato, diz Cida

A operação Rádio Patrulha investiga desvios relacionados ao programa Patrulha no Campo.

Os fatos investigados ocorreram no primeiro mandato do ex-governador Beto Richa, nesse período Cida era deputada federal.

Já dois dos principais coordenadores da campanha de Ratinho Jr ocupavam posição de destaque na primeira gestão. Norberto Ortigara era o secretário da Agricultura e o deputado estadual Guto Silva ocupava sub-chefia da Casa Civil.

Ouça o áudio: