Por Esmael Morais

Delegados da lava jato serão interrogados por divulgar grampos ilegais de Marisa Letícia

Publicado em 06/08/2018

A União pediu que delegados da lava jato sejam interrogados em ação de indenização por danos morais, movida pela família do ex-presidente Lula, pela divulgação de conversas privadas da ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta em fevereiro de 2017.

O juiz Sérgio Moro é acusado de divulgar grampos ilegais de Marisa Letícia, de cunho particular, que não tinham interesse investigativo ou processual no âmbito da força-tarefa.

Nas conversas gravadas da ex-primeira-dama Marisa Letícia, com o filho Fábio Luís, o Lulinha, ela mostrou-se irritada com um panelaço e disse que queria “que as pessoas enfiassem as panelas no cu…”.

Os delegados da Polícia Federal Igor Romário de Paula, Luciano Flores e Márcio Adriano Anselmo foram intimados no pedido de condenação à União.

O pedido para que os delegados sejam interrogados partiu da União, que, se condenada, pode pedir ressarcimento ao erário no caso de responsabilidade civil de servidor público.

“Ao levantar o sigilo das conversas interceptadas — quando já havia perdido a competência do caso para o Supremo Tribunal Federal —, o juiz Sérgio Moro afrontou tais disposições e causou danos morais aos autores das ações, que deverão ser reparados pela União Federal, com base na responsabilidade objetiva pelos atos de seus agentes, prevista no art. 37, §6º, da Constituição Federal, sem prejuízo do eventual direito de regresso”, diz a defesa da família Lula.