Cabo Daciolo foi expulso do PSOL

O deputado Cabo Daciolo, candidato presidente da República pelo Patriota, foi eleito pelo PSOL-RJ na esteira das “jornadas de junho” de 2013, mas foi expulso por infidelidade partidária em maio de 2015.

Na época, Daciolo contrariou o programa e o estatuto do partido tanto em declarações polêmicas como na atividade parlamentar.

O processo de expulsão no PSOL começou depois que o militar apresentou uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), apelidada por ele de “PEC dos Apóstolos”, que sugere alterar um parágrafo na Carta Magna: em vez de determinar que “todo o poder emana do povo”, como é atualmente, estabeleceria que “todo o poder emana de Deus”. O que fere a concepção do PSOL na defesa do Estado laico.

Mas o ápice foi o discurso do deputado, no plenário, em defesa dos PMs que estariam envolvidos com o sumiço, tortura e morte do pedreiro Amarildo de Souza, em 2013.

No debate da Band TV, nesta quinta, Daciolo pirou o cabeção ao perguntar para Ciro Gomes (PDT) sobre a implantação pelos comunistas de uma suposta República Socialista da América Latina (URSAL).

Ao perguntar para Ciro, Daciolo também afirmou que Ciro foi um dos fundadores do Foro de São Paulo.

Ciro Gomes disse que desconhecia o que é USAL e também que não era fundador do Foro de São Paulo, uma conferência que reúne os partidos de esquerda na América Latina.

Comentários encerrados.