Lula rejeita vingança e promete pacificar o país, caso seja eleito em outubro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo preso há 108 dias, assumiu o figurino de candidato às eleições de outubro. A interlocutores que o visitam na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, o petista rejeita a hipótese de vingança e avisa que voltará à Presidência para pacificar o país.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro e Lula lideram corrida presidencial no Rio, diz Paraná Pesquisas

“Estou muito emocionado e motivado por ouvir melhor a voz de vocês e quero deixar claro que vou voltar para pacificar o Brasil”, mandou dizer o ex-presidente à militância que o aguarda em frente à PF na Vigília Lula Livre.

O recado veio pelas bocas do vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo, e do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, que transmitiram o recado na última quinta (19).

“O presidente Lula está indignado com a prisão injusta, ilegal e irregular. Está triste com a situação do Brasil, com o que estão fazendo com o povo brasileiro e com a política que está em curso para desmontar o país, mas está com uma energia, numa vontade de voltar a ser presidente da república muito grande. É candidatíssimo e vai registrar a sua candidatura no dia 15 de agosto”, revelou Macedo.

LEIA TAMBÉM
Lula tem 56% de intenção de voto, afirma pesquisa Ibope

O vice-presidente do PT afirmou ainda a prisão de Lula não aprisiona os seus direitos políticos. “Isso é um problema que a Justiça terá que resolver. Ele tem o direito de falar, de ir pra televisão”, concluiu Macedo.

Comentários encerrados.