Johnson&Johnson condenada a pagar US$ 4,7 bi por talco relacionado a câncer

A Justiça dos Estados Unidos condenou a gigante norte-americana Johnson&Johnson, do ramo farmacêutico, a pagar 4,7 bilhões de dólares a 22 mulheres que contraíram câncer após o uso de talco com amianto.

A sentença do tribunal do Missouri ocorreu em meio a enxurrada de 9 mil processos contra a empresa do setor farmacêutico. Trata-se da maior condenação imposta à indústria farmacêutica norte-americana.

O júri popular reconheceu que 22 mulheres contraíram tumores malignos depois de usar um talco com amianto. Por este dano, decidiu o tribunal, os afetados seriam compensados com 550 milhões de dólares como indenização pelos danos causados. A essa quantia, ele acrescentou mais 4.140 milhões, como sanção à empresa por não alertar aos usuários do produto de que o talco aumentava o risco de câncer de ovário.

A Johnson&Johnson (J&J) comunicou nesta sexta (13) que no Brasil não existem processos judiciais abertos por consumidores associando o câncer nos ovários ao uso do talco em pó Johnson’s Baby.

Comentários encerrados.