Facebook tira do ar páginas de fake news ligadas ao MBL

O Facebook anunciou nesta quarta (25) que removeu 196 páginas e 87 perfis falsos no Brasil. São páginas ligadas ao Movimento Brasil Livre (MBL), que, segundo denúncias, responsáveis pela disseminação de fake news (notícias falsas).

A pré-candidata do PCdoB à Presidência da República, Manuela D’Ávila, comemorou a decisão do Facebook, mas ainda quer saber quem financia as fake news no país. “Quem financia fake news? Queremos saber!”, declarou nas redes sociais.

De acordo com o Facebook, a remoção de contas falsas ocorreu porque elas escondiam a identidade das pessoas e os conteúdos postados tinham o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação.

Dentre algumas páginas ligadas ao MBL que foram desativadas estão “Jornalivre” e “O Diário Nacional”, bem como a do Movimento Brasil 200, criado pelo empresário e ex-presidenciável Flávio Rocha (dono da Riachuelo).

Abaixo, leia a íntegra do comunicado do Facebook:

O Facebook dá voz a milhões de pessoas no Brasil, e queremos ter a certeza de que suas conversas acontecem em um ambiente autêntico e seguro. É por isso que nossas políticas dizem que as pessoas precisam usar suas identidades reais na plataforma.

Como parte de nossos esforços contínuos para evitar abusos e depois de uma rigorosa investigação, nós removemos uma rede com 196 Páginas e 87 Perfis no Brasil que violavam nossas políticas de autenticidade. Essas Páginas e Perfis faziam parte de uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação.

As ações que estamos anunciando hoje fazem parte de nosso trabalho permanente para identificar e agir contra pessoas mal intencionadas que violam nossos Padrões da Comunidade. Nós estamos agindo apenas sobre as Páginas e os Perfis que violaram diretamente nossas políticas, mas continuaremos alertas para este e outros tipos de abuso, e removeremos quaisquer conteúdos adicionais que forem identificados por ferir as regras.

Nós não queremos este tipo de comportamento no Facebook, e estamos investindo fortemente em pessoas e tecnologia para remover conteúdo ruim de nossos serviços. Temos atualmente cerca de 15 mil pessoas trabalhando em segurança e revisão de conteúdo em todo o mundo, e chegaremos ao fim do ano com mais de 20 mil pessoas nesses times.

Contamos com as denúncias da nossa comunidade a respeito de conteúdos que possam violar nossas políticas e usamos tecnologia como machine learning e inteligência artificial para detectar comportamento ruim e agir mais rapidamente.

Comentários encerrados.