Estadão quer vender o Brasil, de preferência a preço de banana

O Estadão se insurge em editorial desta segunda-feira (2) contra o ministro do STF Ricardo Lewandowski, que proibiu privatizações sem a anuência do Congresso Nacional.

LEIA TAMBÉM
STF proíbe privatização de estatal sem autorização do Congresso

O jornalão paulistano defende a venda do Brasil para quem trata-se de “processo de privatização absolutamente necessário” a preço de banana, de preferência.

Lewandowski, embora não esteja escalado no time do técnico Tite, marcou um golaço ao proteger o patrimônio público (de todos) contra os abutres da mídia e do mercado (leia-se especuladores).

Em recente artigo, o ministro do Supremo explicou a motivação de sua decisão liminar contrária à venda do Brasil, materializado em suas empresas estatais.

“Alguns desses bens são de caráter estratégico, essenciais para a própria sobrevivência do Estado, enquanto entidade soberana, a exemplo da fauna, da flora— especialmente da biodiversidade que abrigam —, das terras agricultáveis, das jazidas minerais, dos mananciais de água e dos potenciais energéticos”, escreveu.

Quanto ao envolvimento do Congresso no processo de privatização, mais uma vez acerta Lewandowski, pois mais atores fiscalizando significa inibir a possibilidade real de corrupção na liquidação do patrimônio dos brasileiros. Vide a privataria tucana que criminosamente doou as telefônicas na época de FHC.

Comentários encerrados.