Maioria dos brasileiros rejeita privatização da Petrobras, do BB e a reforma da Previdência

Em pesquisa do Ipsos Public Affairs, divulgada nesta terça (5) pelo jornal Valor Econômico, 61% dos pesquisados disseram que não apoiariam um candidato à presidência da República que defendesse a privatização da Petrobras. Apenas 21% disseram que apoiariam um candidato disposto a privatizar a petroleira. Outros 17% não souberam ou não responderam. A margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais.

“O brasileiro vê a Petrobras como um ícone do país, de sua identidade nacional. E acha que o problema da companhia está mais ligado a uma questão de gestão e corrupção do que ao fato de ser um estatal”, disse Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs, ao jornal Valor Econômico.

A posição do brasileiro em relação, por exemplo, a uma eventual privatização do Banco do Brasil (BB), hoje empresa de capital misto, é semelhante àquela em relação à Petrobras. A maioria, 62%, declarou que não apoiaria um candidato que prometesse privatizar a instituição financeira. Somente 21% seriam favoráveis e 28% não souberam ou não responderam.

A Reforma da Previdência também foi rejeitada por 57% dos entrevistados, que disseram não apoiar um candidato que prometesse fazer a “reforma”. Somente 28% disseram que apoiariam.

Sessenta e oito porcento (68%) dos entrevistados, contudo, se mostraram a favor da redução dos gastos públicos. Segundo Danilo Cersosimo, a maioria dos brasileiros tem uma opinião mais de centro-esquerda sobre a gestão de Estado, mas tem a percepção de que o gasto público hoje é de má qualidade.

A pesquisa foi realizada no período de 1° a 16 de maio, com 1,2 mil entrevistados, localizados em 72 municípios brasileiros. Ou seja, antes da greve dos caminhoneiros e dos petroleiros.

A pesquisa é um indicativo que deverá ser levado em consideração pelos candidatos que disputarão o pleito presidencial de outubro.

*Com informações do Valor

Comentários encerrados.