Estadão ataca suplente de Alvaro

Um dia após o senador Alvaro Dias (Podemos) lançar sua pré-candidatura à Presidência da República, ele é atingido por “estilhaços” do Estadão que aponta o empresário Joel Malucelli, suplente do presidenciável, como suspeito de ter pago R$ 500 mil em propinas.

Segundo o Estadão, Malucelli é suspeito de ter pago propina de R$ 500 mil para que sua empresa do setor de energia recebesse aporte de R$ 330 milhões do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

“A acusação consta no acordo de delação do ex-superintendente de Fundos de Investimento Especiais da Caixa Roberto Madoglio com o Ministério Público Federal”, diz o jornalão.

“Nas eleições de 2014, em que foi eleito como suplente, ele doou R$ 745 mil para a campanha de Dias. O valor representa 25% do total arrecadado pelo senador na campanha em que se reelegeu pela quarta vez”, afirma a reportagem.

O Estadão torce pela candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República.

Alvaro lançou sua pré-candidatura nesta quinta-feira (7) durante almoço “suprapartidário” em um restaurante tradicional de Curitiba.

O senador paranaense tira alguns pontinhos de intenção de voto do candidato tucano.

Não é a primeira vez a mídia paulista ataca Alvaro. Em março passado, por exemplo, a Veja o acusou de ter recebido R$ 5 milhões para enterrar a CPI do Cachoeira. O presidenciável, por sua vez, rebateu dizendo que a Editora Abril estava se vingando tardiamente seu antigo “editor” e que era “armação política” para favorecer Alckmin.