Por Esmael Morais

Depois de quebrar o Brasil, Meirelles agora promete liberar a maconha

Publicado em 16/06/2018

Depois de ter desgraçado a economia, o ex-ministro dos bancos Henrique Meirelles (MDB) prometeu liberar a maconha no Brasil.

“Acho que a maconha é uma questão de direito individual. Não devemos penalizar e criminalizar o consumidor. Principalmente se for para uso medicinal. Maconha eu liberaria”, disse Meirelles à IstoÉ.

A proposta de liberar a maconha também é uma bandeira pioneira do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o FHC.

Recentemente, um dos filhos do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) chamou FHC de “Princesa Isabel da Maconha”, qual seja, o tucano seria o libertador dos maconheiros brasileiros.

Abstraindo a questão moral, não seria uma péssima ideia a descriminalização das drogas no país para reduzir a violência.

O problema de tucanos e assemelhados golpistas está na questão econômica, portanto objetiva.

Eles [os golpistas] tiraram direitos dos trabalhadores para dar aos bancos; geraram 14 milhões de desempregados para maximizar o lucro de algumas empresas; agora querem doar patrimônio público com privatizações suspeitíssimas, repetindo a privataria tucana dos anos 90.

Pensando bem, se FHC é a “Princesa Isabel” da maconha, Meirelles poderia ser o “nosso” Bob Marley que via a maconha como uma planta sagrada.

A liberação da maconha defendida por esses setentões e oitentões tem o objetivo de desviar a atenção do público para o grande mal que eles fizeram para o Brasil.