Por Esmael Morais

Temer tenta desmobilizar greve de caminhoneiros, mas aumentos continuam

Publicado em 22/05/2018

O governo Michel Temer bate ‘biela’ na tentativa de desmobilizar a greve dos caminhoneiros. Promete zerar a CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) no preço do diesel, mas não se compromete em frear a política de reajuste nas bombas.

LEIA TAMBÉM
Greve dos caminhoneiros já afeta voos e compromete abastecimento de veículos no país

A ideia do CIDE “zero” representaria uma redução de apenas 6% por litro do combustível diesel, contra aumentos acumulados de até 56% nos últimos dez meses.

A medida eliminaria a CIDE somente do diesel, portanto continuaria a incidir sobre o preço da gasolina.

Em suma, Temer faz jogo com os números para manter a política de aumento da Petrobras atrelado ao dólar e cotação internacional do petróleo. Isto atende aos interesses de acionistas privados, que visam ao lucro, em detrimento do consumidor final.

LEIA TAMBÉM
Temer rejeita baixar impostos de combustíveis e planeja golpe na greve dos caminhoneiros

O senador Roberto Requião (MDB-PR) criticou a desastrosa política de preços da Petrobras. Segundo ele, com o pré-0sal poderíamos ter a gasolina mais barata do mundo. Com a entrega do pré-sal temos uma das mais caras do mundo. “É preciso resgatar (recomprar) a Petrobras”, disse.

Requião ainda ironizou a proposta de “redução” no preço dos combustíveis: “O governo acaba de reduzir 25% no litro de diesel e gasolina. O litro passa a ter 750 ml.”