Por Esmael Morais

Temer rejeita baixar impostos de combustíveis e planeja golpe na greve dos caminhoneiros

Publicado em 22/05/2018

A redução de impostos que incidem no preço dos combustíveis — ICMS, PIS, Cofins e Cide — são “imexíveis”, segundo o governo Michel Temer. Portanto, a principal bandeira da greve dos caminhoneiros foi rejeitada liminarmente.

LEIA TAMBÉM
Greve dos caminhoneiros entra no 2º dia; Temer balança

Entretanto, Temer sinaliza com migalhas para os grevistas ao prometer que a Petrobras reduzirá os preços de diesel e gasolina nas refinarias a partir de quarta-feira (23). Pode ser apenas um “golpe” para desmobilizar os profissionais da boleia.

O corte estudado pela estatal petrolífera não seria uma política recorrente visando um preço mais justo para os combustíveis. Pelo contrário. Apenas uma medida para tapear os grevistas. Nada impede que na semana que vem, após desmobilização dos caminhoneiros, a empresa reajuste novamente o diesel e a gasolina.

Ou seja, Temer quer dar o golpe nos caminhoneiros (e disso ele entende bem…). Só cairão se forem bobos ou as lideranças do movimento estiverem agindo de má-fé.