Requião Filho: Onde está o Nacionalismo?

O deputado Requião Filho (MDB-PR) afirma que estatais como Petrobras, Copel e Sanepar — essas duas últimas paranaenses –, sob Michel Temer e Beto Richa (que Deus o tenha!), deixaram de cumprir sua função social para proteger interesses de acionistas gringos. “Nacionalismo de verdade é defender o que é nosso. É querer ver o país crescer. É manter e gerar empregos, é fomentar a indústria e a agricultura local”, prega o parlamentar emedebista.

Onde está o Nacionalismo?

Requião Filho*

Os caminhoneiros lideram um movimento sem volta. Uma bomba relógio que estava pronta a explodir, reflexo da péssima gestão do Presidente Michel Temer. Mas não é só a política de reajustes da Petrobrás que perde sua função social brasileira, para beneficiar acionistas nacionais e estrangeiros.

No Paraná, a Copel também deixou de se preocupar com as pessoas faz tempo! No Governo Richa, a mesma linha “entreguista” foi seguida, deixando o mercado internacional muito bem, obrigado! Enquanto o mercadinho do Seu João, lá no interior do Paraná, aquele que gera emprego, teve que demitir funcionários, porque as contas de luz estão custando tão caro – engordando os bolsos dos acionistas gringos, que ficou impossível manter todos os postos de trabalho.

Com isso, o país e o Estado vivem uma crise de representatividade sem precedentes. É uma guerra inglória entre mercados; entre o mercado internacional interessado nas nossas riquezas, e o mercado local que tenta sobreviver aos altos impostos que vão lá pra fora e não permitem a geração de emprego e renda aqui dentro.

Tanto a Copel quanto a Sanepar e a Petrobrás, aos poucos, vão perdendo o foco, compatibilizando os interesses econômicos e a geração de lucros voltada às políticas públicas com norte ao social, agora preocupada apenas com acionistas, deixando de fazer os investimentos necessários e fortalecendo o discurso dos que querem a privatização das nossas estatais.

Os pequenos comércios estão quebrando, sofrendo na pele o caos dos altos impostos que sufocam o crescimento local. Fazem o micro e o pequeno empresário se sentirem reféns do mercado estrangeiro, alimentando gente de fora, com gasolina e outras fontes energéticas produzidas aqui no país, como se fôssemos uma colônia dos países ditos de primeiro mundo.

Nacionalismo de verdade é defender o que é nosso. É querer ver o país crescer. É manter e gerar empregos, é fomentar a indústria e a agricultura local. É querer escola de qualidade para nossos brasileirinhos, é ver nossas faculdades ganhando prêmios no mundo inteiro.

Ser nacionalista é acreditar que o Brasil tem talento, competência é saber que temos tecnologia para termos as melhores empresas do mundo e trabalhar para que este patrimônio seja nosso.

*Requião Filho é deputado estadual pelo MDB do Paraná.

Comentários encerrados.