Papa Francisco critica mídia por difamar e promover golpe de Estado

O papa Francisco não citou nominalmente Lula, mas o recado foi claro na homilia desta quinta (17) ao criticar o papel da mídia no linchamento de pessoas públicas e nos golpes de Estado.

“Essa instrumentalização do povo é também um desprezo pelo povo, porque o transforma em massa. É um elemento que se repete com frequência, desde os primeiros tempos até hoje”, disse o Santo Padre.

Lula foi difamado pela mídia e, ato contínuo, feito preso político há 40 dias mesmo sem provas numa condenação que ainda não transitou em julgado.

“O que aconteceu? Fizeram uma lavagem cerebral e mudaram as coisas. E transformaram o povo em massa, que destrói”, disse o papa durante leitura do dia, do livro dos Atos dos Apóstolos, sobre a “falsa unidade”.

“Criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa… na vida civil, na vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”, pregou o papa 

O papa Francisco afirmou que a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas. “Depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”.

Só faltou o papa dizer na homilia de hoje ‘Lula Livre!’, mas ele ainda chega lá.

Comentários encerrados.