Mães e familiares de vítimas da violência estatal realizam encontro em Salvador

Publicado em 12 maio, 2018
Compartilhe agora!

Na próxima quarta-feira (16), em Salvador, acontecerá a terceira edição do Encontro da Rede Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do terrorismo de Estado, que terá como objetivo traçar estratégias e articular ações para enfrentar a escalada de violência dos organismos policiais e de segurança do estado. Neste ano, integrantes de coletivos dos EUA, da Colômbia e Palestina participarão do evento. Nos últimos dois anos, aumentou de forma significativa a ocorrência de chacinas e de ações violentas das PMs em todas as regiões do país.

As primeiras edições do encontro ocorreram em São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente. Para Rute Fiúza, que vive na capital baiana, levar o evento ao Nordeste amplia o debate para outras regiões do país.

“Esse encontro, na verdade, é para que se dê visibilidade ao que acontece também fora do eixo Rio-São Paulo. Aqui também tem chacinas e mortos pelo Estado todos os dias”, disse.

Em Fortaleza (CE), por exemplo, um toque de recolher imposto pela PM no bairro do Curió, em 2015, mudou a vida da cuidadora de idosos Edna Carla. Seu filho, o estudante Álef Cavalcante, de 17 anos, estava na rua com amigos e foi executado no que se tornou conhecido como a Chacina do Curió.

“Eu não fui para luta logo. Passei três meses sem fazer nada. Eu só chorava e lamentava”, relatou.

Álef sonhava em entrar no Exército e ser militar, como o avô. “Em nosso estado, em nosso país, temos várias mães órfãs. Você sabe que naquele dia das mães seu filho não vai chegar para dizer ‘Mãe, eu te amo’. Essa mãe vai fechar a porta e ele não vai entrar. É uma luta muita grande.

Compartilhe agora!