Por Redacao

No Rio, Lula afirma que “as ideias não se matam” e denunciou “perseguição de Moro”

Publicado em 02/04/2018

No tradicional Circo Voador, na Lapa, centro do Rio, um ato unitário e antifascista reuniu o conjunto dos partidos de esquerda e movimentos sociais do país nesta noite de segunda-feira (4). Ao lado do ex-presidente Lula, Marcelo Freixo (PSOL), Manuela D’Ávila (PCdoB), Jean Wyllys (PSOL), Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, ambos do PT. Além de dezenas de parlamentares e lideranças de movimentos sindicais, sociais e coletivos feministas, antirracistas e LGBTIs. Todos foram unânimes na condenação ao fascismo e da necessidade da construção de uma frente antifascista para derrotar os ataques, a violência e o ódio da extrema-direita.

“Sabe qual é o erro daqueles que praticam a violência? Eles acham que matando a carne eles matam as ideias”, disse Lula.

O ex-presidente Lula denunciou os ataques da Lava Jato e a perseguição judicial movida pelo juiz Sérgio Moro contra ele. “Não quero nenhum privilégio, quero apenas um julgamento justo, que provem as acusações contra mim”, afirmou.

Lula também falou do ódio disseminado pelos grandes grupos de comunicação do país que “de manhã, de tarde e de noite não pouparam de inventar mentiras e ilações contra ele e o PT”.

O ex-presidente encerrou saudando as candidaturas de Manuela D’Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL). “Duas candidaturas jovens, que tem que ousar. Eu falei isso para o Boulos e a Manuela”, concluiu.

A jornada antifascista prossegue com atos e manifestações em São Paulo (3) e em diversas capitais na quarta-feira (4).

*Fotos de Francisco Proner