Por Redacao

Acampamento Lula Livre completa 15 dias de resistência e prepara novas ações

Publicado em 22/04/2018

O acampamento Lula Livre completou neste domingo (22) quinze dias de resistência e de mobilização. Os movimentos sociais e ativistas que organizam a rotina do acampamento, as atividades políticas e culturais, preparam novas ações pela liberdade de Lula.

Além da manutenção da vigília permanente em torno da sede da Polícia Federal, no bairro da Santa Cândida, os movimentos sociais preparam uma série de atividades como panfletagens no centro de Curitiba, nos bairros, universidades e empresas. Ainda tem o propósito de reforçar a mobilização para o 1° de maio unitário organizado pelas centrais sindicais.

O acampamento tem também um sentido de contraposição ao movimento autointitulado “República de Curitiba”, de viés conservador e pró-Moro.

Confira a nota da Vigília Lula Livre sobre os 15 dias em defesa da liberdade do ex-presidente:

No dia de hoje (22), a vigília Lula Livre completou 15 dias.

São dias de luta. de dificuldades, de superação, na defesa da liberdade de Lula, da democracia e do devido processo legal.

São dias e madrugadas de conhecimento para as pessoas que vieram e as que moram na região, quando formamos um palco de denúncia da farsa. Sim, é um novo golpe a condenação sem provas do ex-presidente, a exemplo do que ocorreu em 2016 com Dilma, um processo feito de forma atropelada e sem respeito ao devido processo legal.

São dias de imagens duras, como a do teólogo Leonardo Boff esperando para visitar o amigo, em frente à guarita da Polícia Federal, bem como do prêmio Nobel da Paz, Aldolfo Pérez Esquivel, que também teve rechaçada a visita duas vezes no mesmo dia. Nove governadores também não puderam vê-lo.

Trata-se de uma posição típica de um Judiciário que, novamente, se encastela numa torre de marfim distante da população.

Porém, do bom dia Lula às atividades culturais, às luzes e velas que iluminam as noites desse pequeno rincão no alto de Curitiba, são dias para mostrar que nossa resistência se faz na prática e repercute em vários cantos do mundo. Os gestos e a energia dos manifestantes alimentam diariamente o companheiro Lula, que escreveu: “vocês são meu grito de liberdade”.

Caravanas vão e vem, mantendo a militância e o clima de organização do espaço. E, por que não pensar, da desgastada e falsa “República de Curitiba” estamos fazendo a Comuna de Curitiba, baseada na solidariedade que se faz urgente e presente nesses dias de incerteza.

Mesmo a transferência do acampamento não impediu a manutenção da vigília Lula Livre, que recebe todos os dias personalidades da política e da cultura. A vigília é lugar de encontros, de cartas, de “se encontrar como pessoa”, no coletivo, como afirmou a moradora que forneceu a garagem e quintal de sua casa para abrigo e cozinha para os integrantes da vigília.

Assim como acontece principalmente nos finais de semana, convidamos a população de Curitiba, região metropolitana e de outros estados para nos visitar, participar e contribuir com a vigília.

Todos somos neste momento a democracia que queremos, a luta por direitos e pelos direitos de Lula. O que está em jogo é mais que o futuro de um homem que resiste bravamente na carceragem da superintendência da Polícia Federal.

O que está em jogo é a discussão do futuro de nossos filhos e filhas, do país que queremos, e do autoritarismo que o povo brasileiro já conhece e não aceitará novamente.

Curitiba, 22 de abril de 2018.
Vigília Lula Livre
Ocupa Curitiba! Lula Livre! Eu sou Lula!