Michel Temer desiste de balanço sobre 1º mês de abusos na intervenção no Rio

Michel Temer fugiu da raia. Ele cancelou agenda no Rio de Janeiro em que faria balanço do primeiro mês de abuso da intervenção federal na Cidade Maravilhosa. A execução da vereadora Marielle Franco (PSOL), na quarta e as manifestações de ontem, desestimularam o Vampirão Neoliberal.

LEIA TAMBÉM
The Guardian: Militares deixam pobres com medo nas favelas do Rio de Janeiro

Requião: “O Exército não pode servir de capitão do mato contra pobres e negros”

Temer anunciou a intervenção militar no Rio em 16 de fevereiro, há um mês, logo após o Carnaval. Muitos viram no decreto presidencial — aprovado pelo Congresso Nacional — como uma medida eleitoreira que não resolveria a questão da segurança pública. Também já se sabia que a operação visava pobres e negros das favelas cariocas.

Temer buscou “roubar” a bandeira do deputado Jair Bolsonaro (PSL_RJ) ao “bolsonarizar” a segurança pública. Deu ruim, como se vê. A martirização de Marielle é o balanço mais acabado de um mês de abusos na intervenção do Rio.

Comentários encerrados.