Filiação de Joaquim Barbosa racha o PSB

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) rachou diante da possibilidade de filiação do ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, para disputar a Presidência da República. A oposição principal ao ex-ministro vem de candidatos aos governos estaduais, a exemplo de Márcio França, de São Paulo, e de Renato Casagrande, do Espírito Santo.

Casagrande e França querem liberdade para subir em palanques com aliados tradicionais em seus respectivos estados. Eles têm proximidade com partidos que terão candidatos próprios. França quer subir no banquinho de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB; e Casagrande quer se alinhar com o PMDB ou o PSDB na corrida presidencial.

Já as bancadas federais do PSB — composta por 31 deputados e 4 senadores — defendem candidatura própria em torno de Joaquim Barbosa. Segundo os parlamentares socialistas, seria uma forma de garantirem a reeleição em outubro.

Como confusão pouca é bobagem, o presidente do PSB do Paraná Severino Araújo resolveu apagar o fogo com gasolina. Ele emitiu nota oficial da seção dizendo que uma virtual candidatura de Joaquim Barbosa seria “inaceitável” devido as ideias do ex-ministro que conflitariam com a história e a tradição do PSB.

“Joaquim Barbosa é um homem avesso a política, como já demonstrou várias vezes, e é portador de um comportamento autoritário que nega a tradição democrática do PSB”, fuzilou Severino.

Abaixo, leia a íntegra da nota do presidente do PSB do Paraná:

Notícias recorrentes informam da possível filiação do ex-ministro Joaquim Barbosa ao PSB.

Nada há que contrarie esta filiação, mas se faz necessário discutir suas consequências. O ex-ministro pretende ser candidato a presidente da República, o que é inaceitável, pois suas ideias estão em conflito com a história e a tradição do PSB.

Joaquim Barbosa é um homem avesso a política, como já demonstrou várias vezes, e é portador de um comportamento autoritário que nega a tradição democrática do PSB.

Manifesto aqui a minha oposição a qualquer pretensão de Joaquim Barbosa de ser candidato a presidente da República pelo PSB, embora nada tenha a opor à sua simples filiação aos quadros partidários.

O PSB é uma legenda de tradição democrática e não pode apresentar como candidato alguém de comportamento autoritário e que nega a política.

Severino Araújo
Segundo Secretário de Finanças da Executiva Nacional do PSB e Presidente do PSB Paraná.

Comentários encerrados.