Por Eugênio Aragão

‘Faria tudo novamente’, diz Francischini sobre o massacre de 29 de abril

Publicado em 29/03/2018

O deputado Fernando Francischini (PSL-PR) lembrou com saudades do tempo que foi secretário da Segurança Pública do Paraná. Em conjunto com Beto Richa (PSDB), Francischini é apontado por educadores como responsável pelo massacre do dia 29 de abril de 2015, em Curitiba. Naquele triste episódio, a Polícia Militar atacou de maneira covarde dezenas de milhares de professores e servidores que protestavam contra o confisco do seu fundo de previdência. Além de não se arrepender do massacre, ele diz que faria tudo novamente.

Francischini concedeu entrevista ao Blog da Mareli Martins nesta quarta-feira (28). “Até hoje eu não vejo ninguém com sequelas”, disse o deputado em tom de deboche. Ele ainda põe a culpa do ataque nos próprios servidores, desqualificando seus sindicatos.

O autoritarismo e a truculência foram as marcas da atuação do ex-secretário, afirma a APP-Sindicato. Após o massacre, ele foi demitido por Beto Richa como um bode expiatório da violência contra os professores. O caso teve repercussões em todo o mundo .

Atualmente, Francischini é principal apoiador de Jair Bolsonaro (PSL) no Paraná. Ambos defendem o armamento geral e irrestrito da população para o combate à violência.

Confira a seguir o trecho da entrevista em que o ex-secretário justifica o ataque aos professores do Paraná: