Por Esmael Morais

Fachin faz ‘misancene’ com Temer

Publicado em 02/03/2018

O ministro do STF Edson Fachin, relator da lava jato, incluiu nesta sexta (2) Michel Temer nas investigações da Odebrecht. E daí? E daí nada. Trata-se de mais um ‘misancene’ da mais alta corte do país.

O inquérito já inclui os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, ambos do partido de Temer.

Temer não pode ser investigado sem autorização do Congresso Nacional. Fachin sabe disso. Nas duas vezes anteriores que a PGR, na gestão de Rodrigo Janot, pediu para investigar o presidente não obteve êxito.

Tal inclusão de Michel Temer em mais uma bronca do mundo do crime tem como objetivo principal provar que o Supremo é “imparcial” cujas ações penais não atingem somente o PT e Lula.

O STF aprendeu bem com a lava jato a arte de representar, o factoide e a pirotecnia. Em francês seria mise en scène — um jogo de cena ou jogo para a plateia.

O objetivo do judiciário não é caçar nem cassar Temer. Pelo contrário. A ideia-fixa é com Lula, o sapo barbudo, que se pretende tirar da disputa eleitoral de outubro.