Estadão tortura números sobre empregos para ajudar Michel Temer

Publicado em 2 março, 2018
Compartilhe agora!

A velha mídia chapa branca tortura os números na tentativa de mostrar que as coisas “melhoraram” em meio a 12,7 milhões de desempregados anunciados esta semana pelo IBGE. Segundo o Estadão, citando o Caged, 77,8 mil vagas formais em janeiro e este seria o melhor resultado desde 2012. Truco!

Há uma contradição com o IBGE que esta semana reafirmou ser o mês de janeiro um período em que muitos trabalhadores temporários são dispensados e “tradicionalmente quando há um aumento do desemprego”.

E olha que o número de desempregados é muito maior que os divulgados oficialmente pelo IBGE, pois o trabalho informal e o bico passaram a ser contabilizados como “empregos” e, assim, saíram das estatísticas de mão de obra ociosa.

De acordo com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a título de ilustração, houve aumento de 198% no desemprego na região metropolitana de Curitiba.

“Quem mora em Curitiba e Região Metropolitana sabe muito bem a situação do desemprego na nossa capital: são mais de DUZENTAS MIL pessoas à procura de emprego, um aumento de 198% no número de pessoas precisando trabalhar. Triplicou! Aí eu pergunto: Beto Richa, Temer, o que vocês estão fazendo? Quando eu era Ministra-Chefe da Casa Civil, o índice de desemprego em Curitiba era menor que 4%! Precisamos de políticas para o povo trabalhar!”, escreveu a petista nas redes sociais.

Voltemos ao Estadão, em sua tortura dos números sobre os empregos criados no país.

“Dados do Ministério do Trabalho que serão divulgados hoje mostram que as contratações superaram as demissões no início de 2018, depois de três anos de resultados negativos em janeiro.”

Michel Temer, chateado e envergonhado como “pibinho” de 1%, agradece o esforço da mídia amiga.

O Estadão está sendo mais realista do que o rei.

Compartilhe agora!