Por Esmael Morais

Estadão jura em editorial que não está em curso uma ditadura militar no Brasil

Publicado em 05/03/2018

Em editorial, o Estadão botou a mão no fogo por Michel Temer e pelas Forças Armadas ao desqualificar a tese da “militarização da política” ou, em outras palavras, a “bolsonarização da política” com a intervenção federal no Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM
José Simão: “O Temer roubou os bandidos do Bolsonaro”

“A tese de que o País está a testemunhar a volta da ditadura militar em câmera lenta, com a anuência ou mesmo cumplicidade do presidente da República, não deveria prosperar nem mesmo em assembleias estudantis e em reuniões de militantes partidários que veem golpistas em todo canto”, escreve o jornalão paulistano.

A opinião do Estadão, no entanto, não é uma verdade absoluta ou imutável. Pelo contrário. O Estadão faz parte do consórcio jurídico-midiático-financeiro golpista que em 2016 derrubou a presidenta eleita Dilma Rousseff.

No início da intervenção no Rio, também em editorial, o jornalão paulistano denunciou o clima de comício na medida e dizia que não havia razão objetiva que justificasse a intervenção federal.

Transcorridas pouco mais de duas semanas, ao que parece, o Estadão resolveu queimar a mão apoiando a “ditabranda” de Michel Temer.