Por Esmael Morais

Gleisi Hoffmann acusa Moro: prisão do irmão de Dirceu foi arbitrária e clandestina

Publicado em 09/02/2018

A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, em nota oficial, denunciou nesta sexta (9) que a prisão de Luiz Eduardo Silva, irmão do ex-ministro José Dirceu, foi ato arbitrário do juiz Sérgio Moro. Para ela, uma prisão clandestina, como se fazia nos tempos da ditadura.

Pessoas ligadas à família acreditam que Moro pretende constranger o Supremo Tribunal Federal (STF) no debate sobre a execução de sentença condenatória após decisão proferida em segunda instância, o que poderia afetar o processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e resultar em sua prisão.

“Os métodos arbitrários, ilegais e violentos de Sérgio Moro são bastante conhecidos, mas agora ele está claramente desafiando as instâncias superiores do Judiciário, que não podem mais se omitir diante dessas provocações”, concordou Gleisi.

Abaixo, leia a íntegra da nota oficial:

Nota do PT: “Moro desafia a Justiça e a lei mais uma vez”

Presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, rechaça mais uma arbitrariedade de Moro: a prisão de Luiz Eduardo Silva, irmão de Zé Dirceu

A prisão de Luiz Eduardo Silva, irmão do companheiro José Dirceu, é mais um ato de violência cometido pelo juiz Sergio Moro. Além de não haver nenhum motivo razoável para prender quem é réu primário, com trabalho, família e residência fixa, o decreto de prisão foi sigiloso, ocultado até dos advogados; uma prisão clandestina, como se fazia nos tempos da ditadura.

Os métodos arbitrários, ilegais e violentos de Sérgio Moro são bastante conhecidos, mas agora ele está claramente desafiando as instâncias superiores do Judiciário, que não podem mais se omitir diante dessas provocações.

Nossa solidariedade ao companheiro Dirceu e sua família.

Gleisi Hoffmann
Presidenta Nacional do PT