Christiane Yared torce pela ‘prisão de Beto Richa’ para se eleger ao Senado

Publicado em 4 fevereiro, 2018
Compartilhe agora!

Correligionários da deputada federal e pré-candidata ao Senado Christiane Yared (PR) afirmam que, para se eleger, ela aposta na prisão do governador do Paraná Beto Richa (PSDB).

Yared foi a parlamentar paranaense mais votada na eleição de 2014, quando obteve 200.144 votos (3.53%). Ela acredita que Richa será preso e, por isso, não concorrerá ao Senado na eleição de outubro.

Beto Richa é réu em duas ações penais no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Uma diz respeito ao recebimento de propina da Odebrecht (Operação Lava Jato) e outra tem a ver com crimes ambientais cometidas em área próxima ao porto de Paranaguá (Operação Superagui).

O tucano se safou de uma ação penal, da Operação Publicano, que o investigava por corrupção de até R$ 2 bilhões na Receita Estadual. Mas ainda é investigado no âmbito da Operação Quadro Negro.

Na votação do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, Yared disparou enigmática: “Senhor Beto Richa, a sua hora está chegando”, avisou a parlamentar ao dizer “sim” ao impeachment.

Embora a deputada Christiane Yared torça pela prisão do governador para ficar com uma das duas vagas ao Senado, dificilmente isso irá acontecer. Talvez quando o Saci-Pererê cruzar as pernas.

Por apenas um motivo Beto Richa não irá preso: ele é tucano.

Dito isto, seria muito melhor ver Beto Richa derrotado nas urnas do que preso. Portanto, não será desta vez que Yared chegará ao Senado.

Christiane Yared é mãe de um dos dois rapazes mortos em maio de 2009 por um acidente causado pelo ex-deputado Carli Filho. A deputada sempre sustentou que houve um “racha” naquela noite no bairro Mossunguê, em Curitiba. A repercussão dessa fatalidade a alçou para a Câmara.

O Júri Popular do ‘Caso Carli Filho’ está marcado para os próximos dias 27 e 28 de fevereiro.

LEIA TAMBÉM:

Ex-governador Sérgio Cabral inspira tucano Beto Richa a disputar um “foro privilegiado”

Compartilhe agora!

Comments are closed.