Beto Richa cria figura do ‘assessor distante’ para driblar vínculo com suspeito de integrar máfia do pedágio

Depois de criar a figura do ‘primo distante’ para se desvencilhar das acusações de corrupção de seu primo Luiz Abi Antoun, no governo do Paraná, Beto Richa (PSDB) também inventou a nomenclatura ‘assessor distante’ para driblar vínculo com Carlos Nasser, o Naninho, que assessora diretamente o tucano desde a Prefeitura de Curitiba.

Além do ‘primo distante’, ‘assessor distante’, o governador Beto Richa igualmente se referia a ‘amigos distantes’ quando questionado pela imprensa sobre sua ligação com Márcio Albuquerque Lima, Maurício Fanini e Marcelo Caramori. Em comum, todos eles foram ou estão sendo investigados por corrupção no governo do estado.

Ainda sobre Naninho, cuja relação com a família Richa é desde a década de 70, Beto afirmou que não é seu homem de confiança e que Nasser também serviu aos governos Alvaro Dias e Roberto Requião. Este último, inclusive, disse que “botou na rua” o assessor de Richa no início dos anos 1990.

O diabo é que foi na gestão de Richa que a lava jato estourou a máfia do pedágio que, para aumentar superfaturar a tarifa em 400%, pagava a agentes públicos gordas propinas.

Comentários encerrados.