Só Freud explica sentença de Moro

| 13 Comentários

A jurista Cristiane Brandão, professora de Direito Penal e Criminologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) abandona o direito e recorre a Sigmund Freud, o Pai da Psicologia, para entender e explicar a sentença de Moro. Ela destaca o tom defensivo na decisão do juiz Sérgio Moro.

Jurista abandona o direito e adota Freud para entender a sentença de Moro

da RBA

Em artigo publicado no livro disponível para download Comentários a uma sentença anunciada – o processo Lula, a jurista Cristiane Brandão, professora adjunta de Direito Penal e Criminologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), deixa a jurisprudência penal e processual de lado. Em vez disso, busca esclarecer se o juiz Sérgio Moro, na cruzada contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está ou não participando de uma “guerra jurídica”, fato que o juiz nega com todas as letras no texto da sentença que condena o ex-presidente a nove anos e meio de prisão.

“Ganha relevo a dedicação de inúmeras páginas da decisão de Sérgio Moro para negar tal estado bélico, sem ao menos problematizar seu significado ou expor o conceito adotado pelo Juízo quanto a este termo. Parte-se de uma premissa freudiana de que a negação tem muito a nos dizer”, afirma a professora.

Na sentença, Moro tenta desmontar a narrativa do lawfare – uso abusivo de leis com finalidades políticas –, sustentada pela defesa de Lula. O conceito, introduzido nos anos 1970, revela a postura comum de juízes e outros agentes do direito nos casos em que a lei é usada por como arma de guerra política, para atacar o inimigo e desfazer sua reputação. A professora destaca que Moro assume um tom defensivo na sentença, o que é um indicador da fragilidade de sua argumentação.

“Citando episódios fatídicos determinados por ele – como condução coercitiva, buscas e apreensões, quebras de sigilo, divulgação de áudios –, sem mesmo mencionar as alegações da acusação, o discurso transparece a adoção inconsciente da polarização Lula-Moro tão bem esculpida pela mídia e tão bem assimilada pela doxa”, diz a jurista, revelando o aspecto do inconsciente do juiz que se mostra na sentença.

A questão da negação foi teorizada por Freud. Quando o sujeito, no caso Moro, insiste demais na negação ele acaba afirmando aquilo que está negando. “Freud mostra a importância do sentido da negação na origem psicológica da função intelectual do juízo já que, ao negar algo, de fato, o sujeito está afirmando que se trata de uma relação de sentido que preferia reprimir”, diz ainda a professora.

Mais adiante, a professora discute o conceito de “guerra jurídica”, mostrando como as implicações políticas permeiam as ações humanas, e como a própria política é circunscrita na noção de “guerra”. No caso do enfrentamento de Lula por Moro, trata-se, segundo a professora, de tentar sujeitar o inimigo, por meio do estado de exceção, a uma padronização de subjetividade, para suprimir aquilo que é diferente, principalmente em relação ao paradigma conservador que dá o tom das manifestações da mídia e da Justiça ao longo da operação Lava Jato.

Recorrer ao expediente psicanalítico para compreender as decisões de Moro não é ato isolado da professora da UFRJ no livro. A jurista Claudia Maria Barbosa, professora titular de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), também argumenta em relação ao recurso da negação adotado por Moro para justificar a sentença: “Na decisão objeto de análise, utiliza-se de expressões escritas em profusão de forma negativa, de maneira a dissimular a fragilidade das provas que não corroboram os argumentos (premissas) utilizados pelo magistrado”.

13 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Campanha Nacional:

    >>>>>>>>>>>>>>> Tem dó de bandidos?
    ADOTE. LEVA-OS PRA SUA CASA.

  2. Pingback: Blogueiro petista diz que “só Freud” explica sentença de Moro |

  3. Parece q o rapaz do blog q nunca ouvi falar tá depreciando o juiz e defendendo o bandido isso é brasil amam ser manipulados por mau carater

  4. Então temos um juiz louco, psicopata, fazendo merda e ferrando com o Brasil. Como diz o ditado: – De bunda de neném e de sentença judicial (principalmente de moro), só podemos esperar uma coisa – MERDA.

  5. Pingback: Só Freud explica sentença de Moro | BRASIL S.A

  6. Independente de Freud e outros, o lugar de ladrão sempre foi a cadeia, e o povo que deveria estar do lado da justiça,está do lado do bandido,e isso não precisa ter estudo pra deduzir é só ter caráter, um pai de família rouba comida, pra sustentar sua família e é preso,e eles roubam milhões e estão soltos,mas Já diz o hino : Povo que não tem virtude, acaba por ser escravo.

  7. Lula é inocente, Moro está a serviço do PSDB.

  8. se antes as leis só era pra p p p,agora e pra PT .

  9. este picareta pilantra midiático global bem PAGO …age fora das leis ,a mando do PSDB de bandidos ,ficha limpas e DIPLOMADOS.

  10. Resumindo: Moro sofre de distúrbios psíquicos. A origem dese mal é difícil de ser identificada. Pode decorrente de rejeição patera na infância, ou algo mais grave, que só uma prounda análise psicológica poderá determinar.

  11. Ladrao nao e so condenar, tem que existir prisao perpetua.

Deixe uma resposta

Preenchimento obrigatório *.