Por Esmael Morais

O sadismo da Folha ao resgatar pauta da redução da maioridade penal para 16 anos

Publicado em 03/01/2018

Segundo o dicionário Aurélio, sadismo significa: 1- Perversão sexual em que a satisfação depende do sofrimento físico ou moral infligido a outrem; 2- Prazer em fazer ou ver sofrer outrem. Dito isto, a Folha é um jornalão sádico. Vide pesquisa “esquentada” que ela divulgou nesta quarta-feira (3), resgatando a pauta da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

O jornal dos Frias buscou no fundo do baú um levantamento do Datafolha de novembro do ano passado visando dar carniça aos abutres — e sentir prazer, é claro — no mesmo período em que explodiu nova temporada de rebeliões nos presídios do país e na carona do indulto de presos barrado pelo STF.

A Folha quer encarcerar mais ainda a juventude brasileira num momento em que se discute despovoar as penitenciárias. (Há, também, o interesse oculto na privatização do sistema carcerário brasileiro. Um ineficiente e baita negócio: prender gente).

O Brasil tem 760 mil apenados no sistema, desses 40% são presos provisórios (sem julgamento). Trata-se da terceira maior população carcerária do mundo, atrás somente dos Estados Unidos e da China.

Na pesquisa fria da Folha, qual seja, o Datafolha, subiu de 26% para 36%, entre os anos 2015 e 2017, o apoio à redução da maioridade penal para 16 anos. Mesmo que tenha subido, como diz o jornalão, ainda 64% são contra esse crime contra a juventude brasileira.

O tema é “fake” — uma casca de banana — mas a Folha quer introduzi-lo no debate pré-eleitoral com o objetivo de açular fascistas e eleitores de direita identificados com candidaturas que possam tirar votos de Lula ou de candidato que venha ser indicado pelo PT na eleição deste ano.

Pensando bem, depois de reduzir salário mínimo e direitos sociais dos trabalhadores, nada mais “justo” que a velhaca mídia defenda, também, a redução da maioridade penal para acabar com o sonho de nossa juventude. Até arrancar-lhe a alma. É o espírito do golpe.