Por Esmael Morais

Tropa de Ratinho Junior sente cheiro de ‘enxofre no ar’ em 2018

Publicado em 08/12/2017

Para os correligionários do parlamentar, o governador Beto Richa (PSDB) tem pendido cada vez mais para a candidatura da vice-governador Cida Borghetti (PP), que estará no exercício do mandato a partir de abril do ano que vem.

Richa, pré-candidato ao Senado, mais do que nunca ficará dependente da estrutura de governo para tentar eleger-se. Na verdade, sua única possibilidade de tentar o cargo.

Cida Borghetti e seu marido, o ministro da Saúde Ricardo Barros (PP), anunciam pelo Paraná que o acordo com o tucano para o Senado já está sacramentado. Portanto, o cheiro de ‘enxofre no ar’ sentido pela tropa de Ratinho Junior é real, não imaginário.

“O governador Beto Richa tem uma vaga garantida para o Senado em 2018”, amarra a vice, no que é seguida pelo ministro: “A continuidade desta gestão exemplar para o Brasil passa pela equipe liderada por Beto Richa. E esta equipe permanecerá até o final para garantir o legado”.

Pelo sim pelo não, o PSD mandou o deputado Ney Leprevost entrar no aquecimento para uma eventual desistência de Ratinho Junior na corrida pelo governo do Paraná. O parlamentar, que disputou o segundo turno em Curitiba, tem intensificado o discurso “majoritário” anti-Richa nos últimos dias sobretudo na questão do aumento nos impostos.

Resumo da ópera: nesse mundo cão da política, todos estão sujeitos a uma “chifrada” eleitoral e não seria diferente com Ratinho Junior; nem o experiente senador Roberto Requião (PMDB) escapou de uma proporcionada por Osmar Dias (PDT).