STJ derruba dirigente do Sistema S

O Sistema S finalmente entrou no radar do judiciário, pois, nesta sexta-feira (15), o ministro Napoleão Maia, do STJ, determinou o afastamento imediato de Orlando Diniz do comando do sistema Sesc/Senac no Rio. A tendência é que as investigações se espalhem para as demais unidades no país.

O ministro Napoleão afirma que a gestão de Diniz está “sob investigação” da lava jato no Rio.

Outros gestores do Sistema S, a exemplo de Paulo Skaf, também estão na mira do judiciário. O homem do pato amarelo foi delatado pelo marqueteiro Renato Pereira, da agência Prole.

A Receita Federal identificou repasses suspeitos de mais de R$ 200 milhões para uma pluralidade de advogados.

Há também suspeitas de relação umbilical de Diniz com integrantes do judiciário.

Além de ser um sistema corrupto, o Sistema S tem regalias como a arrecadação direta — porém, inconstitucionais — das contribuições sociais.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT), seção Paraná, informou nesta quinta-feira (14) que começará a coletar 1,5 milhão de assinaturas para apresentar um projeto de iniciativa popular, no Congresso Nacional, acabando com a obrigatoriedade da contribuição para o Sistema S.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Corrupção, em síntese, é a apropriação privada de bens públicos. Não é o estado o indutor da corrupção mas a dita iniciativa privada. Os dois sistemas, porém, têm que conviver. O moderador é a lei: a pior lei é melhor que qualquer bom pacto porque é universal e obriga a todos.
    A lavajato esqueceu isso; faz a sua lei; construiu a maior corruptção deste país.

  2. Pelo amor de qualquer coisa… Hahaha… Sejam racionais:
    Por que (raios) as pessoas AINDA se mostram espantadas por descobrirem corrupção no sistema S, X ou Y???
    Não aprenderam que a “demo”cracia é uma falácia, e, onde quer que exista um tentáculo do Estado, HAVERÁ corrupção???
    #ExtingüaOestado

  3. Central Sindical Patronal como Fiesp e Central Sindical Trabalhista como CUT deveriam ter um tratamento equânime, pois é tudo central sindical, mas enquanto as centrais trabalhistas têm grande parte dos seus recursos vindos das contribuições compulsórias, estas representam apenas cerca de 10% dos recursos da Fiesp – todo empresário, seja grande ou pequeno, paga impostos compulsórios e uma parcela vai para o Sistema S que repassa um percentual para a Fiesp. Muito estranho isso. POR OUTRO LADO, que não seja pretexto para atacar a Cultura promovida pelo Sesc, eu sou fã do trabalho do Sesc, é de alto nível, tem ótimos profissionais e movimenta muito a cultura, conhecimento e novos valores no mundo das artes. Governos fascistas primeiro caem em cima da cultura.

  4. sistema * S * e sim um sistema de corrupção,como diz Gilmar lixo do stf da vergonha …uma quadrilha de honestos ,em defesa do BRASIL.

  5. depois de terem enganado em bando de coxinha e de Imbecis.e levado o pais a beira da Morte ,vão enganar mais a justiça ,justiça sem caráter e corruptos ,justiça vergonha,vão vestir amarelo mais uma vez.

  6. Pingback: STJ derruba dirigente do Sistema S | BRASIL S.A