Cappelli lança manifesto suprapartidário por eleições amplas, livres e democráticas

O jornalista Ricardo Cappelli, em artigo especial, escreve que três pessoas, três desembargadores do TRF-4, não podem frustrar o desejo por eleições livres nem determinar a sorte de milhões de brasileiros.

Manifesto suprapartidário: por eleições amplas, livres e democráticas. Que o povo decida!

Ricardo Cappelli*

Geraldo Alckmin foi eleito pelo voto popular governador de São Paulo quatro vezes. Reúne todas as condições para ser candidato à presidente da república por seu partido. Alguns ministros do Superior Tribunal de Justiça, onde corre processo que pode tirá-lo do pleito, têm o direito de impedir a população de votar no governador paulista?

Renan, Jucá, Aécio e outros acumulam processos. Todos políticos de longa história e trajetória. As denúncias contra eles apesentadas pelo ministério público são fartamente conhecidas. Cabe à justiça impedir o povo de proclamar seu veredicto sobre eles nas urnas?

Circula a informação que Michel Temer, presidente da república denunciado pelo MP, pode ter o interesse de ser candidato à reeleição, acreditando numa retomada da economia em 2018. A Procuradoria Geral da República e o STF podem se sobrepor ao direito democrático de julgamento do povo, impedindo Temer de concorrer?

Lula, ex-presidente da república, conhecido pela maioria esmagadora da população brasileira, foi denunciado pelo MP e condenado por Moro. A população está ciente dos processos e das causas alegadas? Podem três pessoas, três desembargadores impedirem a população de decidir a sentença de Lula?

Como bem escreveu Demétrio Magnoli na Folha, “na república dos juízes, o voto torna-se menos livre e a justiça, menos isenta.”

O Brasil vive uma crise profunda. Econômica, política e social. As causas e saídas para a atual situação dependem do interlocutor.

Foi o populismo fiscal e a corrupção que fez do estado um puxadinho do projeto de perpetuação da esquerda no poder que nos afundou? A histórica natureza anti-democrática da direita brasileira que não aceitou o resultado das urnas e jogou o país na aventura golpista?

Quais as saídas? Aprovar reformas que reestruturem o estado, acabando com o inchaço da máquina pública e com os privilégios de corporações, abrindo espaço para aumento da competitividade e retomada do investimento? Retomar o papel indutor do estado com novos investimentos públicos que dinamizem a economia, ampliando a receita fiscal com o crescimento e o reequilíbrio da arrecadação cobrando mais de quem pode pagar mais? Menos gasto ou mais investimento?

Qualquer que seja a saída, seja qual for o caminho escolhido, ela deve ser imaculada, expressão incontestável da vontade soberana do povo nas urnas. O Brasil só retomará seu caminho de desenvolvimento e paz com um novo pacto social que tenha como pilar o respeito à soberania popular.

Milhões de brasileiros e brasileiras não podem ser substituídos por alguns servidores do judiciário na determinação de nossos destinos.

Por eleições amplas, livres e democráticas. Que o povo decida!

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília.

Comentários encerrados.