“Cala-Boca”, o silêncio tem preço

O deputado Requião Filho (PMDB) escreve sobre o envolvimento do governador Beto Richa (PSDB) em esquemas de corrupção investigados pela Operação Quadro Negro. Segundo o articulista, o pagamento pelo silêncio, o tradicional cala-boca, constitui-se crime de obstrução à Justiça.

Assista ao vídeo:

“Cala-Boca”, o silêncio tem preço

Requião Filho*

Denúncias e escândalos de corrupção foram, definitivamente, as grandes marcas do Governo Beto Richa. “O melhor está por vir” virou sinônimo de destruição, de maldades e de corrupção.

E mesmo em meio a um mar de lama, o nome do governador do Paraná continua pipocando nas delações, revelando uma grande teia de um esquema mais complexo que um roteiro de ficção. Nem o eleitor mais esperto sequer um dia imaginou que seria pego de surpresa com tantas falcatruas envolvendo o nome de um gestor público. E nem mesmo o fiel escudeiro mais amigo considerou a possibilidade de que todos os segredos envolvendo esta amizade “tão verdadeira” seriam revelados. Mas a máscara sempre cai!

Eis que agora um delator afirma: o amigo e empresário “Grego”, o “testa de ferro”, era o responsável pelos pagamentos de propina para “calar a boca” do Fanini no caso da Quadro Negro, evitando que ele mencionasse a suposta participação de Richa no esquema. O mesmo empresário que teve seu nome envolvido na distribuição dos recursos da Odebrecht para a campanha tucana em 2014 e que era o verdadeiro dono de uma grande empresa de logística operando em Paranaguá, suspeita de uma série de ações sob investigação.

Se algum nome existe para pagar pelo silêncio de alguém é ele: Obstrução à Justiça. Crime previsto em Lei, conhecido nos tribunais como Obstrução a Investigação de Infração Penal de Organização Criminosa, ORCRIM.

Afinal, pelo mesmo crime, dentro da própria Operação Quadro Negro, tentando comprar o silêncio de uma testemunha, a então secretária Viviane, da Empresa Valor. E assim, tantos outros políticos e empresários foram presos, pela prática de atos bastante semelhantes, enquanto outros continuam apostando no lema: “pagando bem, que mal tem”. Esperamos que aqui no Paraná a Justiça também faça seu trabalho.

*Requião Filho é deputado estadual pelo PMDB do Paraná.

Comentários encerrados.