As tarifas de serviços subiram abusivamente 81% na “República dos Bancos”

Publicado em 20 dezembro, 2017
Compartilhe agora!

Esqueça se algum dia você leu que a “República de Curitiba” mandava no país. Bobagem. Fake news. Quem manda no Brasil, de fato, é a “República dos Bancos”. Basta conferir os 58 pacotes de serviços financeiros que sofreram 81% de reajustes abusivos.

A “República de Curitiba” ou a “Panela de Curitiba”, como prefere o advogado Rodrigo Tacla Duran, “apenas” dá o suporte — em conluio com a velha mídia — para que a gangue dos bancos dilapide a economia e a soberania nacionais.

O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) divulgou nesta quarta-feira (20) os dados do estudo de tarifas bancárias dos cinco maiores bancos do país: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú e Santander. O levantamento, que comparou os preços dos serviços financeiros entre novembro de 2016 e outubro de 2017, constatou que os aumentos praticados foram muito acima da inflação.

Entre os 58 pacotes de tarifas oferecidos pelos cinco bancos, 81% (50 pacotes) tiveram reajuste no preço. Os maiores reajustes foram aplicados pela Caixa Econômica Federal, que aumentou todos os dez pacotes de serviços com variações de preços entre 10,71% e 78,88%. O reajuste médio do total de pacotes pesquisados ficou em 12,6%, equivalente a 4,6 vezes a inflação do período.

Segundo a economista do Idec e responsável pela pesquisa, Ione Amorim, “o aumento abusivo de preço, sem evidência de uma melhora nos serviços prestados sinaliza a necessidade de aprimoramento das normas de regulação, tal como dos critérios de reajuste de preços”.

Além dos reajustes praticados, os bancos que ofereciam serviços digitais (Itaú, Bradesco e Banco do Brasil) suspenderam a oferta dos pacotes para novas contratações sem justificativas. De acordo com a norma do Banco Central, os pacotes criados não podem ser interrompidos com periodicidade inferior a 180 dias.

Para a economista, os elevados reajustes de preços praticados pelos bancos expõem os consumidores às práticas abusivas. “Os pacotes oferecidos na abertura de contas, por exemplo, muitas vezes não levam em consideração as reais necessidades do cliente, mas sim o perfil de renda, resultando em contratações caras e serviços não utilizados. Por isso, é necessário pesquisar para não ser induzido ao erro”, finaliza Amorim.

Compartilhe agora!

Comments are closed.