Richa articula o impeachment de Fux

O governador do Paraná Beto Richa (PSDB) procura um “laranja” para assumir uma ação propondo o impeachment do ministro do STF Luiz Fux.

A petição inicial — já pronta — acusa Fux de cometer ilícito ao autorizar o pagamento de auxílio-moradia a juízes e procuradores por meio de liminares concedidas há 3 anos.

As liminares do ministro garantiram o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil por mês aos magistrados mesmo que morem na mesma cidade em que trabalham ou tenham residência própria

Entretanto, para prosperar e repercutir na mídia, a ação com o pedido de impeachment do ministro Fux ainda espera “alguém de peso” que a assuma. É a famosa “mão de gato” que bate sem aparecer para o público.

Por que a ira do tucano contra Luiz Fux? Ora, foi o ministro quem homologou a delação do empreiteiro Eduardo Lopes no âmbito da Operação Quadro Negro. Nela, o dono da construtora Valor revelou que o governador dava o “ok” para os desvios de recursos destinados à construção de escolas no estado.

Enfim, a estratégia do governador Beto Richa tem o ânimo de atingir o ministro Fux pelo “acerto” [a homologação da delação] e não pelo “erro” [do auxílio-moradia] propriamente dito. A ideia é desgastá-lo para tirá-lo de combate.

O tucano está transtornado. Neste domingo (5), por exemplo, O Globo prevê final “inesquecível” para Beto Richa semelhante ao de Aécio Neves (PSDB-MG).

Comentários encerrados.