Folha de S. Paulo faz campanha pela canalhice da reforma da previdência

A Folha aderiu e faz campanha pela canalhice da reforma da previdência.

Em sua capa, neste domingo (26), o jornalão cravou que “Brasileiro diz que juventude acaba aos 37 e velhice começa aos 64 anos”.

Tal matéria tem assimetria com outras igualmente canalhas da Globo e da velha mídia, que, com o intuito de mostrar jovialidade de alguns idosos, incutem a falsa ideia (ideologia) de que a aposentadoria poderá vir mais tarde, depois dos 100 anos, como propõe Michel Temer.

“Demógrafos deixaram de contar só os anos desde o nascimento, antropólogos veem uma reinvenção da velhice, valores que valiam antes hoje não têm mais valor, e pergunte aos brasileiros com que idade ficamos velhos: as respostas vão de 14 a 130 anos”, diz a Folha.

A picaretam da Folha é tanta que ela omite que algumas regiões do país, como o Nordeste, a expectativa media de vida do trabalhador não chega a 65 anos.

Nas zonas urbanas pobres de São Paulo, por exemplo, fruto da violência e dos castigos impostos pelo dia a dia, a expectativa de vida não chega sequer a 60 anos.

Entretanto, Folha, Globo, Estadão, dentre outros picaretas, querem o fim da aposentadoria para engordar ainda mais os bancos privados. Eis a propostas deles que confundem com as de Michel Temer.

Portanto, a capa da Folha de hoje não é jornalismo. É informe publicitário do governo e dos bancos.

Comentários encerrados.