Romanelli: O silêncio complacente dos senhores do pato amarelo

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) critica o empresariado do “pato amarelo”, isto é, do sistema S, pela falta de coragem para apontar a existência de “frutos podres” entre seus pares. “Só os políticos vão pagar esse pato?”, questiona o parlamentar ao lembrar a propinas são pagas por empresários.

Download do áudio

O silêncio complacente dos senhores do pato amarelo

Luiz Claudio Romanelli*

“Da ditadura eu tenho ódio e nojo”. (Ulysses Guimarães)

No dia 7 de outubro, a Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG) e outras 27 entidades dos Campos Gerais, publicaram uma nota pública em apoio ao general Antônio Hamilton Mourão, secretário de Finanças das Forças Armadas, que declarou apoio a uma intervenção militar no país.

“Há conforto em saber que existem brasileiros como ele, que ainda se preocupam com a nação e se disponibilizam a lutar pelo futuro. Assim, parabenizamos o General pelas suas palavras e reiteramos nosso apoio”, dizia a nota.

Um equivoco que apontem os quarteis como saída para a crise e se calem sobre o papel do empresariado brasileiro na corrupção.

O episódio me fez recordar de um fato ocorrido no final da minha adolescência, quando um militar de Ponta Grossa, que comandava o 13º Batalhão de Infantaria Blindada, a mais poderosa unidade da 5a Região Militar (Paraná e Santa Catarina), Luiz Manfredini, à época jornalista do Jornal do Brasil fez uma bombástica entrevista assim descrita no Blog do Zé Beto: “Aos 47 anos na época, 26 dos quais dedicados ao Exército, o Coronel Tarcísio Nunes Ferreira deixou clara sua “fidelidade aos ideais do movimento de 31 de março de 1964”, mas criticou o que considerava sua deformação: “Nós saímos de um processo totalitário que se tentava, através do governo, pela desordem, para um processo totalitário feito pelo governo, pelo excesso de ordem”. Para ele, “numa sociedade o que é preciso é a harmonia, e não a ordem”.

Na longa entrevista, o coronel defendeu a imediata abertura democrática no país, com pluripartidarismo (mas sem a participação do Partido Comunista), quebra dos instrumentos de exceção dos quais a ditadura ainda se valia, anistia e até mesmo uma assembleia constituinte. E endereçou ao presidente Ernesto Geisel críticas corrosivas. Opôs-se ao seu conceito de democracia relativa e aos poderes imperiais da Presidência”. Senti saudades da nossa capital cívica.

Na segunda-feira, (9) a Assembleia Legislativa do Paraná aprovou uma nota de repúdio contra a carta da ACIPG.

A carta dos empresários pontagrossenses revela que vivemos um momento preocupante, perigoso até, quando empresários decidem vir a publico defender intervenção militar como panaceia para nossos males. Impressionante como o presidente da ACIPG propõe um revisionismo da história ao afirmar, como o fez em entrevista à jornalista Mareli Martins, que “tudo que dizem sobre a ditadura foi escrito por jornalistas de esquerda”.

Seria cômica se não fosse trágica tamanha distorção da realidade.

A ditadura foi um período marcado pelo autoritarismo, cassação dos direitos políticos, violação dos direitos humanos e das liberdades individuais, censura e ataque à imprensa, concentração de renda, inflação descontrolada e controle do Poder Judiciário. O Ministério Público era um apêndice do Poder Executivo.

A indignação com a crise política, especialmente com a corrupção, não pode levar o país de volta ao obscurantismo e truculência da ditadura militar, mas sim estimular o aperfeiçoamento de nossa democracia.

Infelizmente, estamos vivendo um tempo do enfraquecimento dos partidos políticos, com a consequente judicialização das questões políticas e sociais, em claro desrespeito às garantias do devido processo legal e ao Estado Democrático de Direito. Aliás, no Brasil delator virou uma categoria social. Goza de um certo status, é tratado como alguém que decidiu contar o que sabe da vida dos outros. Se é verdade, meia verdade ou meia mentira isso não importa. Não é visto pela mídia como um criminoso, mas sim como alguém que colabora para dar verossimilhança a versão que foi construída pelos acusadores.

Em vez de defender intervenção militar, creio que está mais do que na hora dos empresários começarem a refletir sobre a complacência e a omissão que vem mantendo em relação às revelações das investigações de corrupção no país. Corrupção no Brasil é muito mais ampla e complexa do a que se vê por meio da operação Lava a Jato.

Pesquisa feita pela UFMG/Vox Populi mostra que quase um em cada quatro brasileiros (23%) afirma que dar dinheiro a um guarda para evitar uma multa não chega a ser um ato corrupto.

“O fato é que muitas pessoas não acham que o desvio privado seja corrupção, só levam em conta a corrupção no ambiente público”. diz o promotor de Justiça Jairo Cruz Moreira. Ele é coordenador nacional da campanha do Ministério Público “O que você tem a ver com a corrupção”, que pretende mostrar como atitudes que muitos consideram normal são, na verdade, um desvirtuamento ético.

Moreira listou dez atitudes que os brasileiros costumam tomar e que, por vezes, nem percebem que se trata de corrupção.

Confira a lista:

– Não dar nota fiscal;

– Não declarar Imposto de Renda;

– Tentar subornar o guarda para evitar multas;

– Falsificar carteirinha de estudante;

– Dar/aceitar troco errado;

– Roubar TV a cabo;

– Sonegar imposto;

– Comprar produtos falsificados

furar fila

– No trabalho, bater ponto pelo colega;

– Falsificar assinaturas;

– Apresentar atestado médico falso para faltar ao trabalho.

E assim, poderíamos fazer uma imensa lista de pequenas corrupções.

Sim, porque como nos ensinou o magistrado Antônio Di Pietro, que desencadeou a Operação Mãos Limpas, na Itália, a corrupção é um câncer que ataca da mesma forma quem dá e quem recebe o dinheiro.

“Não se pode dizer que o crime de corrupção seja mais grave para quem recebe o dinheiro do que para quem o dá”, disse ele, há mais de 15 anos.

“Numa sociedade capitalista só se pode aceitar o princípio do livre mercado se houver transparência nos negócios. Só se pode aceitar os princípios da democracia ocidental se ela for transparente política e institucionalmente”, disse o juiz.

Onde estão as “entidades representantes das classes produtivas” que, com tanta ousadia clamam por intervenção militar como solução para a corrupção, mas não tem a mesma coragem para também publicamente admitir e apontar a existência de frutos podres entre seus pares- aqueles que corromperam, pagaram propina?

Por que o empresariado se omite e se cala ou aponta o dedo apenas para os políticos, fazendo de conta que na outra ponta não existe um empresário que corrompeu e é tão corrupto como quem foi corrompido?

Onde estão os senhores do pato amarelo que não fazem uma autocritica e admitem que, entre os que se assentam em seus conselhos, há os que adotaram praticas de negócios lamentáveis e com transparência financeira condenável. Só os políticos vão pagar esse pato?

Boa Semana! Paz&Bem!

*Luiz Cláudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, ex-secretário da Habitação, ex-presidente da Cohapar, e ex-secretário do Trabalho, é deputado pelo PSB e líder do governo na Assembleia Legislativa do Paraná.

13 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Vá entender este Romanelli, aqui no Paraná assina tudo que o Beto faz, a nível nacional desse a lenha no pessoal que não faz oposição ao Temmer, Isso é caso que nem Freud explica.

    • Explica sim, Romanelli é um canalha, safado e oportunista, era o único do PMDB do Paraná a apoiar o FHC Serra, Alkmim e Aecio nas eleições.

  2. Pingback: Romanelli: O silêncio complacente dos senhores do pato amarelo | BRASIL S.A

  3. Companheiro Requião mamoneiro fazendo escola: Romanelli e Rocha Loures, 2 de seus pupilos com maior destaque!
    Só falta agora imitar o nosso líder e elogiar publicamente o Renan.

  4. PRIMEIRAMENTE PARA SE FALAR MAL DOS EMPRESÁRIOS, TEM QUE TER AUTORIDADE MORAL PARA ISSO, GRANDE LÍDER NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO PARANÁ, LIDEROU A DESTRUIÇÃO DO ESTADO, CÚMPLICE DO PIOR GOVERNADOR DA HISTÓRIA, DESTRUINDO A EDUCAÇÃO E TUDO DE PIOR PARA O PARANÁ, QUANDO NÃO SE TEM NADA DE BOM PARA FALAR O MELHOR É FICAR CALADO.

  5. O ROMANELLI SEMPRE ESCREVENDO BOBAGENS, OS HOMENS DO PATO SÃO DO MESMO TIME DO SEU CHEFE O BETO RICHA E OS DEPUTADOS DO CAMBURÃO QUE APOIARAM OS GOLPISTAS.

  6. O sujo falando do mal lavado, este boçal não tem moral para criticar ninguém, pois sempre vota e apoia o governo corrupto de Beto Richa que quebrou o Paraná. Que moral tem pra falar alguma coisa pois sempre foi contra todo o tipo de investigação dos atos deste governo e contra o funcionalismo publico.

  7. O sujo falando do mal lavado, este boçal não tem moral para criticar ninguém, pois sempre vota e apoia o governo corrupto de Beto Richa que quebrou o Paraná. Que moral tem pra falar alguma coisa pois sempre foi contra todo o tipo de investigação dos atos deste governo e contra o funcionalismo publico.

  8. FURAR PEDÁGIO, MESMO QUE SEJA CARÍSSIMO, TAMBÉM É UMA FORMA DE CORRUPÇÃO !!!

    ROMANELLI QUERENDO DAR LIÇÃO DE MORAL NO OUTROS, ERA SÓ O QUE FALTAVA !!!!!!!!

  9. Desde l982 só tivemos dois presidente da república honestos, limpos são e mais a maioria dos brasileiros confiamos e acreditamos sabendo separar o “joio do trigo” como ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a também mãos limpas Dilma Rousseff, são os únicos presidentes limpos e honestos desde 1982. Digo mais quem tiver acusação apresente “mas” não vale diz que me disse, power-point nem sonhos.

  10. Hipócrita!!! o líder do governo mais desgraçado que existiu no Paraná pensa que engana quem?

  11. O sujeito anda com o Richa e se acha no direito de cobrar algo de alguém?
    E outra, até então, as punições para os empresários tem sido maiores do que para políticos. Vide o exemplo do Marcos Valério, do Odebrecht…
    Companheiro Romanelli é bem picareta.